O Sistema Francês de Segurança Sanitária de Alimentos

Visita técnica na Vigilância Sanitária de Paris.⠀

No curso de Visitas Técnicas em Paris de 2018, da #Verakis, tivemos a oportunidade de conhecer o Sistema Francês de Segurança Sanitária dos Alimentos.⠀

🥰 Eles foram tão atenciosos que prepararam até uma apostila em português 👌 ⠀

Aprendemos sobre a atuação da França no mercado de alimentos, bem como dentro da União Européia, desde o agronegócio, importação, exportação, fiscalização, métodos de controle, órgãos regulamentadores, etc. ⠀

Abaixo listei algumas observações que achei interessante.⠀

🤝 Incentivo.⠀
Eles possuem um pensar construtivo, não punitivo ou opressor. O foco é ajudar a resolver a situação para que a economia não fique prejudicada. Porém, obviamente, se persistir o erro, aí sim entra a parte jurídica.⠀

🙋‍♂️ Responsabilidades.⠀
O dono é o primeiro a se responsabilizar pela segurança dos alimentos que produzem. Na França não existe nutricionista responsável. Não existe, também, uma regra específica de produção. A obrigação é o #resultado estar de acordo, independente de como você vai fazer. No caso, o fabricante deve provar para os órgãos fiscalizadores, através de análise de risco, de que o produto dele é seguro, independente de como ele chega naquele resultado. Portanto, não é nada engessado.⠀

🔎 Rastreabilidade.⠀
Lá é muito forte e realmente funciona esse princípio de saber a procedência das matérias-primas, pois tudo deve ser registrado junto do número do lote. A ideia, por exemplo, é que o dono da vaca saiba para quem vai vender, e o comprador saiba da onde veio a mercadoria. Isso facilita a retirada do produto caso vou ver surtos ou polêmicas acerca de alguma mercadoria.⠀

📑 HACCP / APPCC⠀
Salvo a produção primária (campo), as indústrias e demais estabelecimentos são obrigados a aplicar os procedimentos fundamentados no HACCP. Na visão e palavras deles, “achar um culpado é difícil, por isso a importância de considerar o HACCP, pois verifica todas as etapas”.⠀

🧫 Higiene dos alimentos.⠀
Todos os setores da cadeia alimentar (do campo à mesa) devem respeitar as seguintes exigências: ⠀
– Critérios microbiológicos.⠀
– Procedimentos que atinjam os objetivos de segurança.⠀
– Controles rigorosos de temperaturas.⠀
– Controles da cadeia de frios.⠀
– Amostras e análises.⠀

✒Fiscalização.⠀
Não trabalham com denúncias, e sim por reclamações de quando alguém passa mal, etc. Em épocas de maior movimento, eles reforçam as fiscalizações, que são feitas por fiscais concursados e treinados. Classificam os estabelecimentos por notas:⠀
(A) OK⠀
(B) tem poucas coisas a melhorar. Voltam em 1-2 anos.⠀
(C) tem coisas que precisam muito ser melhoradas. Voltam em 3 meses. ⠀
(D) fechamento administrativo.⠀

Transparência.⠀
A França preza muito pela transparência. Para tal, eles utilizam o aplicativo chamado “Alim-Confiance”, tendo como objetivo incentivar a melhoria do estabelecimento com base na avalição dos clientes atraves deste aplicativo. O local pode, inclusive, usar essa “nota” como marketing, parecido com o #Tripadvisor, por exemplo. ⠀


Ufa 😅 dá pra sentir o quão IN-CRÍ-VEL é fazer um curso desses? Este foi somente 1 das 13 visitas realizadas. É uma oportunidade de se infiltrar na cultura, conhecer os bastidores, e tudo isso na nossa área de atuação. Vale cada centavo investido 😉⠀

#verakis #verakisparis #vtverakisparis ⠀

🔸➖🔸➖🔸⠀
Carolina Andriolli ⠀
Nutricionista – CRN10 2130⠀

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s